Cultura

Caminhada ancestral

Didaticamente penso que os Tupi eram três grandes famílias. Os Tupinambá ocupavam em especial o litoral, os Guarani caminhavam pelo Centro-Sul e os Tapuia viviam cercados no Centro-Noroeste, considerando como ponto central o atual Distrito Federal do Brasil. Apesar de independentes, e “inimigos” milenares, possuíam base cultural e linguística comum, diplomacia e amplo comércio.Tapuia é […]

Releitura das “Armas de Itapira” – Caneta sobre papel com finalização virtual. 18-10-18

Símbolo musical de Itapira

Existe uma diferença crucial entre Memorialista e Historiador: a compreensão do macro-contexto que envolve a rotina das pessoas. Assim o Memorialista, reproduz e valoriza o conhecimento das gerações passada, enquanto que o Historiador, analisa e traduz esse conhecimento para o presente.Embora com profundas diferenças ideológicas, admiro muito o trabalho do Memorialista Marcio Carlos quando atuante […]

Correspondente Consular da Itália, Walter Ricciluca. 14-5-2016 no Circolo Italo-Brasiliano XV de novembro di Itapira

Una breve storia della Comunità Italiana di Itapira

Quanto aqui os portugueses chegaram queriam a propriedade porém sua utilidade efetiva era de posto de abastecimento das rotas de comércio luso-indianas. O método do saque era comum no processo de adquirir ervas, temperos e outras especiarias. No entanto na primeira tentativa de saque aos Tupi, 1517 próximo a Salvador, os Guarani saiam de todos […]


Somos seres culturais. E a nossa jornada de autoconhecimento, essa jornada que  fazemos do nascer ao morrer, implica o acesso ao saberes dos povos, implica a dilatação das subjetividades, do que nós somos… do eu que, nós somos (…) O acesso a cultura é fundamental para a vida.

Jean Wyllys, 2018

Poranduba / Notícias

Navegue pelas categorias:

“Navegar é preciso, viver não é preciso”
Sabedoria popular dos mares